quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

A HISTÓRIA DA PSICOLOGIA




Olá pessoal, tudo bem?

Enquanto organizava alguns trabalhos antigos encontrei um artigo que escrevi em 2011 sobre a história da Psicologia, então decidi publicá-lo aqui, caso sirva de ajuda para alguém.


RESUMO

“A psicologia possui um longo passado, mas uma história curta”, esta frase foi escrita pelo psicólogo, pioneiro na psicologia experimental, Hermann Ebbinghaus. É interessante observar que dentro deste paradoxo existe uma concordância, pois como é apresentado neste artigo a psicologia apenas surgiu como ciência em 1860 através do psicólogo alemão Wilhen Wundt, este o qual também liderou o movimento estruturalista, contudo muitos séculos antes vários pensadores, filósofos e teólogos já questionavam sobre a natureza humana.

A psicologia possui suas raízes no quarto e quinto século A.C. e foi através dos filósofos Sócrates, Platão e Aristóteles que iniciou-se os estudos profundos da mente. Sócrates contribuiu através dos seus pensamentos sobre a razão como essência humana. Platão deu um grande passo ao definir um lugar para a razão no corpo humano, sendo esta a cabeça. Aristóteles inovou ao afirmar que a alma e o corpo não podem ser separados, ou seja, a alma como principio ativo da vida.

Após a contribuição de Wundt como fundador da psicologia cientifica, o mesmo iniciou o movimento Estruturalista que visava o estudo estrutural e funcional da consciência, dividindo-a em partes. Logo surgiram opositores, dentre estes o influente psicólogo norte-americano William James que liderou um novo movimento, o Funcionalismo que tinha como objetivo o estudo do funcionamento dos processos mentais para auxilio do ser humano. Neste mesmo período surge uma nova visão teórica, através do psicólogo Edward Thorndike, o Associacionismo que analisava os processos da aprendizagem por meio da associação de idéias.

Em 1912 nasce um novo movimento, o Behaviorismo difundido através das idéias do psicólogo norte-americano John B.Watson, que visava o estudo do comportamento através da observação e de métodos objetivos. Enquanto o Behaviorismo crescia na América outro movimento aflorava na Alemanha, a Gestalt. A Gestalt ou psicologia da estrutura padrão, interessava-se em compreender a percepção, o pensamento e a resolução de problemas. Este movimento também foi opositor ao Estruturalismo e ao Behaviorismo.
Paralelamente ao movimento da Gestalt, surge outro movimento na Europa que veio a ser um dos mais conhecidos e difundidos na história da psicologia, a Psicanálise. A Psicanálise foi criada pelo conhecido e importante médico neurologista Sigmund Freud, e busca compreender de forma cientifica diversos “processos misteriosos” como as fantasias, sonhos, esquecimentos, desejos, angústias e medos inconscientes. Freud revolucionou a Psicologia através dos seus estudos sobre os processos mentais (Inconsciência, consciência e Pré-consciência/Id, Ego e Superego).

Ainda hoje todos estes movimentos sobrevivem através de vários psicólogos em todo mundo que seguem movimentos diversos. A psicologia cresce e muda a cada dia, mas suas raízes fundamentais continuam as mesmas, a alma, natureza humana ou mente, pois apesar de sofrer inovações e mudanças lembremos que a Psicologia é uma ciência nova, mas com um longo passado.

 
1. INTRODUÇÃO E ORIGEM

Desde o princípio, quando o homem se percebeu como ser pensante, ele vem buscando compreender o complexo ambiente onde ele se insere tentando explicar tanto os fatos e transformações deste mundo externo como as situações e ocasiões do misterioso mundo interno. Foi através dos vários questionamentos sobre este universo interior que bem recentemente surgiu como ciência a Psicologia.

O termo Psicologia vem do grego "psyché", que significa alma, e de “logos” que significa razão, portanto etimologicamente, Psicologia significa "estudo da alma". A alma era concebida como a parte imaterial do ser humano, a parte que abriga todos os sentimentos, pensamentos, desejos, vontades e percepções.

É com Sócrates, (469-399 a.c) filósofo grego, que a Psicologia na antiguidade ganha consistência. Sua principal preocupação era com o limite que separa o homem dos animais. Desta forma, postulava (pedir com instância) que a principal característica humana era a razão. A razão permitia ao homem sobrepor-se aos institutos, que seriam a base da irracionalidade. Ao definir a razão como peculiaridade do homem ou como essência humana, Sócrates abre um caminho que seria muito explorado pela Psicologia.

O passo seguinte é dado por Platão (427-347 a.c), discípulo de Sócrates. Esse filósofo procurou definir um "lugar" para a razão no nosso próprio corpo. Definiu esse lugar como sendo a cabeça, onde se encontra a alma do homem.

Aristóteles (384-322 a.c), discípulo de Platão, foi um dos mais importantes pensadores da história da Filosofia. Sua contribuição foi inovadora ao postular que a alma e o corpo não podem ser dissociados. Para Aristóteles, a psyché seria o princípio ativo da vida.

Foram os filósofos acima citados, Sócrates, Platão e Aristóteles, que levantaram questionamentos e reflexões sobre o funcionamento da mente. Preocupavam-se com a mente com muitos processos que eram desconhecidos e que precisava ser estudada devidamente.

Hipócrates, considerado o "pai da medicina", fez muitas observações importantes acerca de como o cérebro controlava outros órgãos. Ele representa a primeira tentativa científica de compreender o cérebro na vida humana, tanto em sua função como em seu significado.

Questões como consciente, inconsciente, percepção da realidade e tantas outras tão importantes agora quanto há dois mil anos atrás, lidam com a natureza da mente e dos processos mentais. Além disso, é interessante que por mais clássica que seja a palavra psicologia, ela só surgiu no século XVIII, quando Cristian Wolff empregou este termo para significar uma disciplina, então, fazendo parte da filosofia. Era a parte da filosofia que estudava a natureza e as faculdades da alma.

Em 1860, um psicólogo alemão Wilhen Wundt fundou uma disciplina que chamou eventualmente de Psicologia. Sendo então ele o fundador da Psicologia como ciência. Wundt em 1879 na universidade de Leipzig, na Alemanha, criou o 1º laboratório experimental de psicologia, sendo esse o marco histórico da psicologia estabelecendo-se como ciência.


2. ESTRUTURALISMO, FUNCIONALISMO E ASSOCIACIONISMO

Wundt tornou-se o líder do movimento conhecido como Estruturalismo. Ele vai tentar saber como a consciência funciona e com quais estruturas, como se a consciência pudesse ser dividida em partes. Os psicólogos estruturalistas deveriam estudar a consciência humana tentando descobrir e relacionar as estruturas que levam e causam a consciência. Tendo em vista estas e outras falhas, novos movimentos surgiram para estudar e entender a mente humana.

Voltando ao assunto do surgimento da psicologia como ciência: William James (1842-1910), um dos mais influentes psicólogos norte-americanos, se opunha ao estruturalismo porque o via como artificial, limitado. A consciência, argumentava James, é pessoal e única e está em contínua mudança evoluindo com o tempo e sendo seletiva na escolha dentre os estímulos que a rodeavam. James falava da capacidade do ser humano de se adaptar ao seu ambiente.

Por estudar o funcionamento dos processos mentais para auxiliar o ser humano, esse movimento ficou conhecido como Funcionalismo e influenciou muito a psicologia norte-americana, tanto que muitos dos postulados do Funcionalismo sobreviveram e se encontram incorporados a atual abordagem conhecida como psicologia cognitiva (Cognição - Conjunto de processos mentais: pensamento, percepção, classificação, reconhecimento, etc...).

Enquanto uns se dedicavam às estruturas e outros ao funcionalismo, Edward Thorndike (Principal representante do Associacionismo) se dedicava a teoria de aprendizagem. O termo Associacionismo origina-se da concepção de que a aprendizagem se da por um processo de associação de idéias das mais simples às mais complexas. Assim, para entender o conteúdo complexo, a pessoa precisaria primeiro aprender as idéias mais simples, que estariam associadas aquele conteúdo, Ele formulou a Lei do Efeito.

De acordo com essa lei, todo comportamento de um organismo vivo (um homem, um pombo, um rato etc...) tende a se repetir, se nos recompensarmos (efeito) o organismo assim que este emitir o comportamento. Por outro lado, o comportamento tenderá a não acontecer, se o organismo for castigado (efeito) após sua ocorrência. A partir desses conceitos surgem às escolas de Psicologia, com o propósito de saber como era o funcionamento mental.


3. BEHAVIORISMO

John B. Watson (1878-1958), psicólogo norte-americano que teve como orientador um professor Funcionalista, resolveu fazer da psicologia uma ciência respeitável como as ciências físicas. Sentiu que os psicólogos deviam estudar o comportamento observável e adotar métodos objetivos. Em 1912, quando Watson começou a fazer conferências e a escrever para difundir seus pontos de vista, nasceu o movimento conhecido como Behaviorismo (Provindo do inglês "behavior", que significa comportamento). Este movimento teve muitos seguidores e teóricos que amadureceram e abrangeram a teoria dos comportamentos e provavelmente seu maior representante e estudioso tenha sido B.F.Skinner.


4. GESTALT

Enquanto o Behaviorismo floresceu na América, a psicologia da Gestalt ("gestalt" vem da palavra alemã que significa forma, estrutura, padrão) crescia na Alemanha.

Os psicólogos da Gestalt acreditavam que as experiências trazem consigo uma característica de totalidade ou de estrutura. A Gestalt surge também como forma de protesto contra o estruturalismo, visto como fraco por conduzir experiências complexas da natureza humana a elementos simples (Em sua obsessão pela precisão e pelo comportamento observável, os behavioristas também foram culpados e criticados por esta prática).

Os psicólogos da Gestalt se interessavam em compreender a percepção, o pensamento e a resolução de problemas. Eles acreditavam que a psicologia devia estudar as experiências subjetivas conscientes das pessoas e encorajavam também o uso de métodos objetivos. Como o humano percebia e como selecionava (Teoria perceptiva da Figura-Fundo) a sua experiência e se relacionava com esta, foi descrito e estudado pela Gestalt.

O movimento da Gestalt foi forte e solidário, sua filosofia traçou a direção da psicologia na Alemanha e, mais tarde, influenciou a psicologia norte-americana (Sobretudo no estudo da percepção). Vários enfoques contemporâneos mostram a marca inconfundível da psicologia da Gestalt (Entre estes o humanista e o cognitivo).


5. PSICANÁLISE

Em paralelo ao movimento da Gestalt, surge outro movimento na Europa que veio a se tornar um dos mais conhecidos e difundidos na história da psicologia, o movimento Psicanalista.

Sigmund Freud (1856-1939), médico, neurologista vienense se especializou no tratamento de problemas do sistema nervoso. Considerado "Pai da psicanálise", ousou colocar os "processos misteriosos" do psiquismo, suas "regiões obscuras" como fantasias, sonhos, esquecimentos, como problemas científicos. A investigação sistemática desses problemas levou Freud à criação da Psicanálise. Este termo é usado para se referir à teoria e à um método de investigação cujo elemento principal é a associação livre.

Por processo inconsciente, Freud, referia-se às crenças, medos, desejos e angústias dos quais as pessoas não têm consciência, mas que independente disso influenciam o comportamento humano. Freud estudou profundamente os processos mentais (Inconsciente, consciência e Pré-Consciência / Id, Ego, Superego) e fez toda uma teoria e tratamento baseado nas suas descobertas.

A teoria psicanalítica criou uma revolução na concepção e tratamento dos problemas emocionais e gerou interesse entre os psicólogos acadêmicos pela motivação inconsciente, a personalidade, o comportamento anormal e o desenvolvimento infantil.

As ideias psicanalíticas ainda se encontram muito vivas atualmente, tanto em sua forma original como nas numerosas modificações que sofreram. Vários movimentos e ramificações ocorreram a partir da Psicanálise... Assim como várias ramificações cresceram e se atualizaram a partir das idéias Behavioristas,da Gestalt, do Funcionalismo e do estruturalismo.

Temos eventualmente uma infinidade de psicólogos, cada um com sua linha de pensamento: seja psicanalista, gestaltista, comportamental, existencialista, humanista, neobehaviorista, cognitivista e assim por diante. A ciência da psicologia continua a crescer e a mudar, e não se pode ainda ser colocada dentro de uma forma única. Embora os psicólogos contemporâneos raramente sigam movimentos específicos, eles discordam em alguns pontos filosóficos fundamentais e abordam a psicologia de modos claramente distintos.

A psicanálise enquanto método de investigação caracteriza-se pelo método interpretativo, que busca significado oculto daquilo que é manifesto por meio de ações e palavras ou pelos sonhos, associações livres e os atos falhos. Diferente da observação do comportamento que é o principal método utilizado pelo behaviorismo.

A análise busca o auto-conhecimento, baseando-se no funcionamento intrapsíquico. Podemos observar que o esquecido é sempre algo penoso para o sujeito por isso era esquecido. E o penoso não significa, necessariamente, algo ruim, mas pode se referir a algo bom, que se perdera ou que fora intensamente desejado. Dessa forma o trabalho terapêutico os faz dar livre curso as suas idéias, as suas associações.

A essa força psíquica que se opunha a tornar consciente, a revelar o pensamento, Freud denominou de resistência. E repressão, o que visa encobrir, fazer desaparecer da consciência, uma ideia ou representação que esteja na ordem do insuportável que está na origem do sintoma (Mecanismo de defesa).


6. CONCLUSÃO

A mente humana é uma área de estudos que ainda mantêm-se no mistério, pois apesar da variedade de estudos e pesquisas nesta área o nosso conhecimento neste assunto ainda é muito vago por isso a busca e pesquisa fazem-se tão necessárias quanto nos séculos que se passaram. A humanidade esta se desenvolvendo gradativamente e num futuro bem próximo alcançaremos uma melhor compreensão de nós mesmos, mas em nossa atual situação devemos nos preocupar nas questões que são tão negligenciadas, a moralidade, o equilíbrio e principalmente o afeto não só com nós mesmos, mas com todo ambiente e seus elementos. A observação do comportamento e da natureza humana não deveria ser apenas responsabilidade da Psicologia ou Filosofia, mas sim de todos nós, pois observando e compreendendo a nós mesmo entenderemos melhor todos os problemas que nos permeiam neste complexo e infinito universo.


7. REFERÊNCIAS

PSICOLOGIA, 07 de fevereiro de 2010.
Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Psicologia
Acesso em 07 de Fevereiro de 2010.

UM BREVE RESUMO DA HISTÓRIA DA PSICOLOGIA, 22 de junho de 2008.
Disponível em: http://www.scribd.com/doc/3050392/Um-Breve-Resumo-da-Historia-da-Psicologia
Acesso em 07 de Fevereiro de 2010.

SANTOS, Pablo. História da Psicologia. 20 de agosto de 2007.
Disponível em: http://pt.shvoong.com/medicine-and-health/comparative-medicine/1652545-hist%C3%B3ria-da-psicologia/
Acesso em 07 de Fevereiro de 2010.

LINDA L. Davidoff, Introdução à Psicologia, SP, McGraw-Hill do Brasil, 1983

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Gerenciar e Liderar - Qual a diferença?

Reconhecer os momentos nos quais é imprescindível gerenciar e aqueles onde liderar é o melhor caminho talvez seja o grande dilema que os gestores atuais têm enfrentado. Mas, quais são as diferenças entre o gerente e o líder?

Primeiramente, gerenciar é cuidar das coisas, dos processos, das atividades e do bom desempenho daquilo que precisa ser feito, isto é, garantir a execução das tarefas que estão sob o guarda-chuva de seu cargo. Sendo assim, quando você consegue finalizar um projeto dentro do prazo e com sucesso, é um gerente eficaz. O mesmo vale para as reuniões que são agendadas e nas quais distribui diferentes afazeres e uma semana depois consegue se certificar de que os trabalhos foram concluídos com êxito.

Liderar é priorizar as pessoas, a sua capacitação e a relação de trabalho com elas. Portanto, você lidera quando facilita um bom clima organizacional, preocupa-se com o bem-estar de todos e inspira os colaboradores a oferecerem o melhor de si para a companhia. Quando faz com que as pessoas não trabalhem apenas por dinheiro e vejam em você alguém no qual possam confiar.

Posturas diferentes, mas complementares e que ajudam a explicar a ineficácia de muitos gestores que, habilidosos em gerenciar ou liderar, esquecem que as duas coisas são igualmente importantes ou nem mesmo percebem que o desenvolvimento conjunto destas competências – hoje inexistentes – garantiria sua empregabilidade e o êxito da área que conduz.

Vivenciamos um tempo no qual se preconiza a importância dos líderes e pouco se fala do papel do gerente e suas responsabilidades, no entanto os gestores continuarão a ser importantes para as organizações, pois são eles que tocam o dia a dia das empresas. De que vale cuidarmos da visão de longo prazo se os dirigentes não estiverem comprometidos com os resultados que precisam ser alcançados agora?

O "xis da questão" está no equilíbrio entre as duas posturas. Gerentes normalmente são pessoas objetivas, criteriosas, focadas em resultados e que acompanham de perto a performance de seus comandados. Por isto, também colhem antipatias e nem sempre são bem compreendidos. Enquanto isto os líderes têm grande tato para lidar com gente, estão preocupados com a forma com que os resultados são alcançados e a sustentabilidade da companhia, mas nem sempre dão atenção às rotinas administrativas e à gestão do dia-a-dia. Incompreendidos algumas vezes, são vistos como sonhadores e que pouco realizam.

Em suma, se as organizações contarem apenas com líderes, não avançarão consideravelmente rumo a um futuro melhor. É necessário que tenhamos pessoas pragmáticas, voltadas ao processo, atentas aos detalhes das atividades e capazes de indicar as prioridades entre tantas tarefas a serem feitas.

E é claro, como pensar em colaboradores satisfeitos e comprometidos se não houver líderes que estejam preocupados com o desenvolvimento destas pessoas e sua realização profissional, por exemplo? Aliás, a sociedade como um todo está à procura de dirigentes carismáticos que possam estar à frente das instituições públicas e das transformações sociais que o mundo requer. As últimas eleições presidenciais nos EUA provam a veracidade deste raciocínio.

Nem gerentes, nem líderes. As organizações anseiam contar com gerentes-líderes que saibam avaliar correta e competentemente as inúmeras situações que o cenário complexo, turbulento e imprevisível apresenta, sem esquecer que as pessoas também necessitam de uma especial atenção.

Gerenciar e Liderar



Fonte: http://www.bonde.com.br

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

A grande "Jogada" da Kibon

A cada dia vem surgindo mais ações digitais interativas, dentre estas, os jogos que permitem uma interação divertida e interessante com uma marca, os chamados advergames, mas a Kibon decidiu entrar no jogo promovendo o novo picolé Magnum com algo inovador, o advergame "Busca ao Prazer através da Internet". No game você é uma modelo magra e acrobata que sai em busca do maior número de bombons que conseguir até chegar ao final e conhecer o delicioso novo sorvete/picolé Magnum Temptation Hazelnut que tem praticamente uma fábrica de bombom dentro de tanto chocolate.


Até aí nada de novo não é? Mas a parte legal é que para recolher os doces você sai correndo por várias páginas na web, páginas de outras marcas na verdade. Você entra em um Galaxy Tab da Samsumg, dirige um Saab pelo Finest Books, sai correndo do segurança que quer te dar um coió em um vídeo do youtube, nossa é muita confusão. Voe, corra, pule, dirija, e até suba nos boxes das páginas pra pegar tudo.


Para Jogar clique na imagem abaixo:



Sociedade Limitada

Um grande Olá a todos que visitam o +Administração.

Hoje estou trazendo um tema bastante falado tanto no meio académico quanto nos meios de comunicação, A sociedade Limitada. Deixo para vocês um texto explicativo de Bernardo Pina do site "produzindo.net" e logo depois as video-aulas trasmitidas na TV Justiça sobre o assunto. Desejo um bom estudo a todos.


O que é uma sociedade Limitada?

O assunto “como abrir uma empresa” tem se tornado cada vez mais presente nas mentes das pessoas e uma das principais dúvidas que surgem à nossa mente é sobre naturezas jurídicas. Existem tantos que podemos acabar nos perdendo…

Antes de qualquer coisa entenda que uma sociedade é uma união de duas ou mais entidades com um objetivo traçado a fim de alcançar o sucesso em uma determinada ação ou segmento de mercado.

Hoje em dia, o tipo societário mais comum é a Sociedade por Cotas de Responsabilidade Limitada (ou simplesmente Sociedade Limitada). A chamamos assim porque a responsabilidade de cada sócio é limitada (daí vem o nome) à quantidade de cotas que ele possui.

“Espera! Antes de prosseguir, me explique o que são essas cotas.”

Cotas são a parcela de contribuição do sócio no que diz respeito ao capital social da empresa.

“E o que isso tudo quer dizer?”

Isso quer dizer que os bens particulares dos sócios irão responder pelas dívidas da empresa apenas pelo que representar o limite da sua parcela de participação (cotas) no montante total do capital social dessa mesma empresa.

Para exemplificar, pense num empréstimo que a empresa faz em um banco. É muito comum que os bancos peçam como garantia tanto os bens da empresa como os bens pessoais de cada sócio. Se um sócio tem uma quantidade de cotas equivalente a 40% do valor do capital social, seus bens só irão arcar com a dívida referente a esses 40% do montante total de capital social, coisa que não acontecia antes da criação da sociedade limitada no início do século passado.

Para entender melhor, assistam os vídeos a seguir:


Sociedade Limitada Parte 1



Sociedade Limitada Parte 2




Sociedade Limitada Parte 3




Sociedade Limitada Parte 4




Sociedade Limitada Parte 5




Sociedade Limitada Parte 6




http://letraducoes.blogspot.com.br